Wikia

Enciclopédia das Testemunhas de Jeová

Ancião

450páginas
nesta wikia
Comentários0

Ancião - o mesmo que Presbítero [ em gr. presbýtero, "homem mais velho", "ancião" ], isto é, um cristão com mais madureza e experiência de vida ordenado como líder da Igreja local. Eles servem na congregação [ ou igreja, em gr. eclesia ] como superintendentes [ em gr. episkopos, "vigilantes" no sentido de serem defensores da verdadeira doutrina e da disciplina religiosa ] e como pastores de almas. (Estudo Perspicaz das Escrituras, vol. 1 pág. 128-131) Os termos bíblicos clássicos Presbítero e Presbitério, não são usados pela religião. Não aparecem na Tradução do Novo Mundo.

Em outubro de 1972, são designado Anciãos em cada congregação. A supervisão da congregação foi entregue ao Corpo de Anciãos [ ou Presbitério ], e um dos Anciãos, é designado Superintendente presidente [ antes chamado de Superintendente da Congregação ]. Até 1983, existiu um rodízio anual na presidência do Corpo de Anciãos. Depois, o Superintendente presidente passou a servir por tempo indefinido. (Proclamadores do Reino de Deus, pág. 106) Em janeiro de 2009, foi chamado de Coordenador do Corpo de Anciãos. (CCTJ 2/9/2008; Nosso Ministério do Reino 11/2008 pág. 3)

Desde setembro de 2014, os Anciãos de Congregação são designados pelo Superintendente do Circuito, segundo as instruções do Escritório da Filial. (CCTJ 13/7/2014) Apenas o cargo de Coordenador do Corpo de Anciãos [ antes de 2009, Superintendente presidente ] é uma designação do Escritório da Filial. Ele é o representante local do Escritório da Filial. Ele preside a reunião do Corpo de Anciãos e da Comissão de Serviço da Congregação.

Seus requisitos

Duas vezes por ano, o Corpo de Anciãos se reúne com o Superintendente do Circuito para examinar as recomendações. Toda a consideração é iniciada e concluída com oração. Todo o processo deve ser mantido em absoluta confidencialidade.

Se um Servo ministerial [ o mesmo que Diácono, em gr. diakonous, "servo", "servidor"; alguém que ministra outrem; na Igreja, um ministro ajudante dos Presbíteros ] "está esforçando-se para ser superintendente [ ou ter o cargo de superintendência, em gr. episkopees; ou seja, ser um Ancião ], está desejando duma obra excelente." Não deve ser recém convertido. Tampouco deve-se fazer designações precipitadas. (1 Timóteo 3:1, 6; 5:22) A idade mínima é 25 anos.

Sua motivação deve ser querer servir a congregação. Deve ter humildade mental. Não deve procurar obter destaque, domínio ou poder na congregação ou sobre os demais Anciãos. Não pode ser amo da Fé de seus concrentes. (A Sentinela de 1/8/1999 pág. 14 § 15-16) Tampouco deve encarar os Servos ministeriais como seus serviçais.

Deve ser uma pessoa irrepreensível [ exemplar, livre de acusações fundadas ], marido de uma só esposa [ têm de estar legal e biblicamente casado ], moderado nos hábitos, sensato [ ter bom critério ], ordeiro, hospitaleiro, qualificado para ensinar [ ser bom instrutor, capaz de exortar e repreender ], não deve ser beberão [ ter moderação no beber ], nem violento [ espancador, agressor ], mas razoável [ não ser inflexível ou obstinado ], não briguento [ conflituoso ] e não amar o dinheiro [ ser ganancioso ou materialista ]. Tem de presidir [ ou administrar ] de maneira excelente à sua própria família, tendo os filhos em sujeição. Deve ter uma boa reputação na comunidade local. (I Timóteo 3:2-4, 7; Tito 1:5-9)

Se não souber cuidar de sua própria família, "não pode tomar conta da congregação". (1 Timóteo 3:5) Não deverá ficar tão ocupado nos seus deveres, que deixe de ter tempo para "a sua própria família". (A Sentinela de 15/10/1996 pág. 23) Se for casado, sua esposa deve ser séria, não caluniadora, moderada nos hábitos, fiel em todas as coisas. (I Timóteo 3:11; Tito 2:3-5) Deve estar sujeita à direção do seu marido. Não deve intrometer-se nos assuntos congregacionais cuidados pelo seu marido ou pelos Anciãos locais.

Se for pai, deve ter os filhos menores de idade "em sujeição com toda a seriedade". Devem ser "crentes, não acusados de devassidão e nem indisciplinados”. Não é necessário que sejam batizados. Devem ser educados na religião e terem conduta pessoal exemplar. (Efésios 6:4; Êxodo 20:12) Má conduta dos filhos ou de sua esposa pode desqualificar o Ancião. Se um filho abandonar a religião [ se dissociar ] ou cometer uma transgressão séria, deve ficar evidente que fez o melhor que pode para o corrigir e ajudar-lo. (1 Timóteo 3:4; Tito 1:6; A Sentinela de 15/10/1996 pág. 21)

Ele, sua esposa ou seus filhos, não estão proibidos de cursar o Ensino Superior. Mas isso é desencorajado por ser uma ameaça à doutrinação religiosa. Deve ser sempre avaliada as circunstâncias, a motivação, a atitude pessoal - e como isso é encarado pela congregação. Se existir objeções no Corpo de Anciãos, suas qualificações terão de ser reavaliadas. (Orientações para os Sup. Circuito, 20 § 34) Não deve ser recomendado para ser Superintendente de Circuito, mesmo que ele reúna todos os requisitos exigidos. (Carta 27/2/2012, a todos os Sup. Distrito)

Exige-se submissão e fidelidade

Espera-se que os Anciãos de Congregação sejam fieis e obedientes ao Corpo Governante e aos seus representantes viajantes. Devem estar profundamente convictos da veracidade do inteiro sistema doutrinário publicado pela Torre de Vigia, em especial, da sua escatologia singular. Em 1927, o “escravo fiel e discreto” de Cristo - na parábola de Mateus 24:45-47 (TNM) - são todos os Estudantes da Bíblia - homens e mulheres consagrados - que professam serem Ungidos por Deus com o Espírito santo. (A Sentinela de 1/2/1995 pág. 13 § 15) Este “escravo fiel” teria um Corpo Governante que o representa e dirige os assuntos administrativos da Torre de Vigia (dos EUA). Em 2013, o “escravo fiel e prudente” (TNM 2013) foi identificado como sendo os Anciãos Ungidos que servem como membros do Corpo Governante. (A Sentinela de 15/7/2013 pág. 29)

Seu treinamento

Todos os Anciãos de Congregação recebem treinamento periódico na Escola do Ministério do Reino (EMR). O currículo incluí análise de doutrinas, conselhos sobre oratória e arte de ensino, como realizar a obra de proselitismo e os deveres e responsabilidades dos superintendentes. Em 2008, foi fundada uma escola adicional para aumentar a sua espiritualidade ["doutrinação"] - a Escola para Anciãos de Congregação (EAC). Se servem como Pioneiros por Tempo integral por 2 ou mais anos, podem cursar a Escola para Evangelizadores do Reino (EER).

Cada Ancião designado recebe um exemplar do livro Pastoreiem o Rebanho de Deus (2010). Atualizações dos procedimentos organizacionais e esclarecimentos são feitas em cartas do Escritório da Filial e em outros manuais específicos. (Introdução ao Pastoreiem o Rebanho de Deus; CCTJ 10/1/2011 e 16/3/2015; Orientações para os Sup. Circuito, 2015, 17 § 41-43)

Nenhum Ancião congregacional recebe remuneração ou compensação financeira pelo seu cargo ou pelas muitas horas dedicadas às suas tarefas. Podem ter responsabilidades adicionais tais como: na pré-preparação de Assembleias e Congressos, na Equipa de Salões de Assembleias, na Comissão do Congresso, nos diversos departamentos das Assembleias e dos Congressos, em Grupos de Construção de Salões, nas Comissões de Ligação com Hospitais (COLIHs), como diretores na Associação Jurídica regional, como Servos de Associações jurídicas (SAJs), servir em equipas de Socorro / Ajuda humanitária, como voluntários temporários de Betel, voluntários externos de Betel (betelitas) por Tempo parcial, voluntários de Betel (betelitas) por Tempo integral, etc.

Não são Ungidos

Não são Ungidos pelo Espírito santo para serem Anciãos das Testemunhas de Jeová. (Atos 20:28) Afirmam que é o Espírito santo de Deus que orienta a sua designação ou remoção. Os requisitos foram "inspirados por Deus". (I Timóteo 3:16) Eles tem de demonstrar ter o Espírito santo operando em suas vidas. (Gálatas 5:22-23) "Ter o Espírito santo não é o mesmo que ser Ungido com o Espírito. A Unção depende da escolha de Deus". (A Sentinela de 15/12/2011 pág. 25 § 14) Os Anciãos que alegam ser Ungidos não devem esperar ser tratados de modo especialNão têm um estatuto superior ou privilégios especiais na hierarquia organizacional. Tomar dos emblemas não prova que a alegação de serem Ungidos seja verdadeira. (A Sentinela de 15/6/1996 pág. 31; de 15/6/2009 pág. 23 § 15)

Novos Ungidos

Com o fim da "geração" de 1914 "que não passará" (Mateus 24:34), em 1994, surgiu uma nova geração de Anciãos Ungidos. São contemporâneos dos Ungidos que presenciaram os acontecimentos de 1914-1918Eles são atualmente a "geração que não passará" . (A Sentinela de 15/4/2010 pág. 10) Antes de 1966, o fim da chamada tinha terminado em 1931. Depois, era 1935. Seu número deveria decrescer desde então. Mas, ao registar aumentos de "novos Ungidos" justificam isso dizendo: "parece que não podemos especificar uma data para o fim dessa chamada ... e nem precisamos saber." (A Sentinela de 1/5/2007 pág. 30-31; de 15/8/2011 pág. 22)

Em 1 de maio de 1992, alguns Anciãos não Ungidos com muitos anos de serviço como Superintendentes viajantes e em Betel, foram designados ajudantes das comissões do Corpo Governante - mas sem direito de voto. Em 7 de outubro de 2000, alguns foram eleitos diretores da Sociedade Torre de Vigia (nos EUA).

Anciãos eleitos

Desde 1896 até 1932, os Anciãos e Diáconos eram eleitos pelo erguer das mãos dos batizados da congregação [ ou igreja local, em gr. eclésia ]. Sobre a ordenação dos Anciãos, Atos 14:23 diz: "elegeram-nos pelo levantamento de mãos" (KJV) ou "os havia ordenado" na VUL, lit. "escolhidos por levantamento da mão". O grupo modelo era os Estudantes da Bíblia de Allegheny, Pensilvânia, EUA. 

Em 16 de fevereiro de 1881, foi fundada a Sociedade da Torre de Vigia de Sião (dos EUA). Solicitou-se que os grupos que realizavam reuniões regulares que informassem o escritório da Torre de Vigia. Na década de 1880, Russell e seus associados visitavam os grupos de Estudantes da Bíblia para edificá-los. Em 13 de dezembro de 1884, foi fundada a Sociedade Torre de Vigia e Tratados de Pensilvânia (dos EUA), e Russell, eleito seu presidente. 

Em 1886, realizaram uma “reunião geral” de três dias após a celebração da Morte de Cristo. Em 1891, haveria um congresso para estudos da Bíblia e para a celebração da Morte de Cristo. Após o lançamento de vários volumes de Aurora do Milénio, sugeriu-se a realização de grupos de Estudo bíblico chamados de “Círculos da Aurora”. Em 1894, providenciou-se o envio regular de representantes da Torre de Vigia como oradores públicos - chamados de Peregrinos. Russell inicia uma série de viagens ao exterior dos EUA para expandir o seu ministério. 

Russell acreditava que Cristo estava presente de modo invisível, e que dirigia pessoalmente a colheita final dos herdeiros com ele no Reino celestial, “a classe do Templo”. De início, achou desnecessário a designação de Anciãos. Mas, perante a ameaça de divisões e de dissidências, Russell disse:

"Não hesitamos em recomendar às Igrejas em toda a parte, quer seus números sejam grandes, quer pequenos, o conselho apostólico de que em todas as congregações os Anciãos sejam escolhidos entre seu número para apascentar e supervisionar o rebanho." (Anuário TJs 1976 pág. 164-166; artigo "Decentemente e em Ordem" publicado na A Torre de Vigia de Sião de 15/11/1895) "Na seleção de Anciãos, os batizados se devem lembrar de que ... não se deve lançar nenhum voto sem uma consideração meticulosa da vontade Divina e a oração pedindo orientação Divina." O artigo salientou que os Anciãos devem ser hábeis no ensino, ensinar a Verdade, e não o erro, e a humildade e a piedade devem ser qualificações principais. (A Torre de Vigia de Sião de 1/11/1909 pág. 325, em inglês; A Nova Criação, vol. 6 de Estudos das Escrituras, 1904, em inglês; Proclamadores do Reino de Deus, pág. 205-209)

Houve Anciãos com atitudes e motivações erradas, até mesmo existindo campanhas eleitorais. (A Torre de Vigia de Sião de 15/3/1906, pág. 90, em inglês) Em outros casos, eram Anciãos que opuseram-se à ascensão de Rutherford à presidência da Torre de Vigia (1917), às mudanças impostas nas congregações locais, às expetativas religiosas falhadas para 1925 e ao abandono gradual dos ensinos de Russell. Entre 1926 a 1931, estima-se que 2/3 dos Estudantes da Bíblia originais abandonaram a Torre de Vigia. Os Estudantes da Bíblia que permaneceram fieis a Torre de Vigia foram chamados de Testemunhas de Jeová, em 1931. Eram "a Classe do Tempo", sinónimo usado para Ungidos com Espírito santo.

Saiba mais

Ligações externas

Ao redor da rede Wikia

Wikia aleatória